Novo diretor-geral da PRF lutará por concursos anuais

Diretor-geral da PRF, Adriano Furtado, lutará por concursos anuais
para repor o quadro de servidores.

O novo diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal, Adriano Marcos Furtado, pretende lutar por concursos anuais para a PRF. Atualmente, a corporação conta pouco mais de 10 mil policiais, o que acarreta em uma carência de mais de 3 mil servidores.

Durante uma reunião entre representantes do sindicato da carreira, onde o diretor-chefe foi receptivo às pautas apresentadas pela entidade. Além de Adriano Furtado, estiveram presentes o presidente da Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF), Deolindo Carniel, e o vice-presidente, Dovercino Neto, receberam o diretor executivo do órgão, José Lopes Hot. Os membros da PRF ratificam a importância de manter um diálogo entre as duas entidades.

Entre as pautas propostas, o presidente da FenaPRF, Deolindo Carniel, comentou sobre a importância de aumentar o número de policiais para reforçar o quadro da instituição. Para que a proposta seja concretizada, ele solicitou ao novo diretor que lute junto ao governo pela realização de concursos anuais.

Segundo Carniel, a medida visa acabar com o grande déficit da corporação e conseguir chegar a preencher o número de vagas previstas em lei.

De acordo com a FenaPRF, Adriano Furtano, diretor-geral da PRF se mostrou bastante receptivo aos pedidos do presidente.

O novo diretor-geral disse que buscará formar de cumprir as solicitações e lutará para que os concursos possam ser realizados. A presidência da federação reafirmou que o déficit atrapalha o funcionamento das atividades e poderá chegar a 5 mil policiais em 2020, informou Carniel.

Em suas palavras, “Demonstra que os gestores do DPRF estão dispostos a trabalhar em conjunto com o sistema sindical. Tenho certeza que se mantivermos essa união em pautas e lutas traremos muitos ganhos para a categoria”, relatou o presidente da federação, considerando positiva a visita do novo diretor a entidade.

Em março de 2018, o ex-diretor da corporação, Renato Dias, já havia informado sobre o grande déficit da PRF. Segundo Dias, o número ficaria ainda maior ao fim daquele ano. A PRF está com concurso em andamento onde oferece 500 vagas que não serão suficientes.

Isso porque a Polícia Rodoviária Federal já garantiu que serão preenchidas somente as 500 vagas imediatas, sem previsão de cadastro reserva.

A corporação já prevê mais de 700 aposentarias desde o término da validade do último concurso. Outro dado relevante é que a Polícia Rodoviária Federal conta com aproximadamente o mesmo efetivo de 1994.

Deixe uma resposta