Governador de Roraima se compromete a reavaliar suspensão de concursos públicos; Aplicação das provas para PC/RR seguem mantidas

O governador de Roraima, Antonio Denarium, se comprometeu na última segunda-feira (04), reavaliar a suspensão de pelo menos quatro concursos no estado. Em sua página do facebook, Denarium garantiu que analisará cada posição para fazer um posicionamento definitivo.

Apesar da suspensão anunciada pelo vice-governador, Frutuoso Lins. A VUNESP comunicou através de seu site, por meio do comunicado “PCRR1701“, que ficam mantidas as aplicações das provas objetivas e discursivas nos dias 16 e 17 de fevereiro de 2019, conforme ação judicial (processo 0813297-68.2018.8.23.0010).

De Brasilia, Antonio Denarium diz que tem acompanhado com preocupação os desdobramentos sobre o assunto “concursos públicos”. E com responsabilidade e o objetivo de salvaguardar os concurseiros, se comprometeu em avaliar possibilidades cerca do tema.

O posicionamento definitivo deve vir após a quarta-feira (06), quando o governador retorna à Roraima para analisar a situação de cada concurso público.

“Estamos passando por momentos difíceis e jamais será do meu interesse prejudicar os concurseiros. Juntos chegaremos a uma decisão que seja boa para todos. Estarei em Roraima na quarta-feira e vamos analisar cada concurso para fazer um posicionamento definitivo”, comprometeu.

Uma das promessas de campanha do então governador de Roraima, Antonio Denarium, representante do Partido Social Liberal (PSL), foi a manutenção de concursos públicos. Mas revelou que não tinha o real conhecimento das contas do estado.

Justiça determina realização do concurso público

Uma vez que a organizadora do concurso público foi contratada pelo valor de R$ 5,5 milhões e que mais de 30 mil pessoas inscritas. O promotor de Justiça de Execução Penal e Controle da Atividade Policial, Valmir Costa, informa que o estado incorre em ato de improbabilidade administrativa.

“O estado contratou uma empresa para realizar um serviço, mais de 30 mil candidatos se inscreveram e agora se anuncia o cancelamento do concurso a duas semanas de realização da prova, daí vem a constatação: o dano ao erário advindo dessa medida precisa e deve ser apurado e ressarcida em atos de improbidade administrativa autônomo”, destaca o promotor de justiça.

Deixe uma resposta