Tag: Brasil

Polícia Federal: Eduardo Bolsonaro defende contratação de Agentes Administrativos

O Deputado Federal, Eduardo Bolsonaro, publicou nessa quinta-feira, 11, em seu Twitter, um pedido por mais contratações de Agentes Administrativos para compor o quadro de servidores da Polícia Federal.

Segundo o deputado, é urgente a necessidade de ampliação no efetivo da PF, pois policias acabam não exercendo seu trabalho para cobrir outras funções.

Eduardo Bolsonaro é Policial Federal e completa a sua publicação afirmando que Agentes Administrativos, excedentes de concursos ou futuros concursos são bem-vindos na PF. E completa que a Polícia Federal é essencial no combate a corrupção!

Confira a publicação do Twitter e do Jornal Econômico abaixo:

O concurso para o cargo de Agente Administrativo da Polícia Federal é um dos mais aguardados. De acordo com a Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), existem 5.300 cargos vagos para Agente Administrativo.

Segundo Luiz Boudens, presidente da Fenapef, até o final de abril o estudo completo com os dados de déficit da área de apoio deverá ser concluído e entregue à Polícia Federal. O objetivo da federação é que a PF solicite um novo concurso para servidores administrativos ao Ministério da Economia.

Último Concurso PF – Agente Administrativo

O último concurso para Agente Administrativo da Polícia Federal foi realizado em 2013 com oferta 534 vagas, e teve como organizador o Cebraspe (antigo Cespe/UnB).

O cargo de Agente Administrativo exige nível médio completo, com remuneração de R$ 5.204,16 (referente ao ano de 2017) e jornada de 40 horas semanais.

Atribuições do cargo: realização de atividades de nível médio, de grande complexidade, envolvendo a apresentação de solução para situações novas, a necessidade de constantes contatos com autoridades de média hierarquia, com técnicos de nível superior e/ou contatos eventuais com autoridades de alta hierarquia e abrangendo planejamento em grau auxiliar e pesquisas preliminares realizadas sob supervisão indireta, predominantemente técnico, visando à implementação das leis, regulamentos e normas referente à administração geral e específica;

Supervisão dos trabalhos que envolvam a aplicação das técnicas de pessoal, orçamento, organização, métodos e materiais executados por equipes auxiliares, chefia de secretarias de unidades da mais alta linha divisional da organização.

A validade do concurso inicial era até 2016, mas o certame foi prorrogado até junho de 2018 e convocou mais de 700 aprovados.

As vagas foram distribuídas conforme o quadro abaixo:

As provas foram compostas com 120 questões, sendo 50 de conhecimentos básicos e 70 de conhecimentos específicos, de caráter eliminatório e classificatório, onde cada item foi julgado como ‘certo’ ou ‘errado’. Os candidatos não realizaram prova discursiva nem teste de aptidão física.

O conteúdo programático foi composto pelas seguintes disciplinas:

Conhecimentos Gerais (50 questões): Português; Noções de Informática; Raciocínio Lógico; Atualidades; Noções de Direito Administrativo; e, Noções de Direito Constitucional.

Conhecimentos Específicos (70 questões): Noções de Administração Pública; Noções de Administração Financeira e Orçamentária; Noções de Gestão de Pessoas nas Organizações; Noções de Arquivologia; Noções de Administração de Recursos Materiais; e Legislação Aplicada à Polícia Federal.

Concurso Semef Manaus: Inscrições prorrogadas até 12 de abril

As inscrições do concurso para a Secretaria de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno (Semef) foram prorrogadas até as 14h do dia 12 de abril, próxima sexta-feira. O prazo estava previsto para encerrar no último dia 5 de abril. Os interessados nas 50 vagas de nível médio, médio/técnico e superior devem se cadastrar pelo site da Fundação Carlos Chagas, banca organizadora.

O concurso Semef Manaus oferece dez vagas para o cargo de Auditor Fiscal (edital 1), cujo requisito é ter nível superior em qualquer área de formação. A remuneração inicial é de R$ 17.436,29 composta pelo vencimento de R$ 3.530,20 e Gratificação de Produtividade Fazendário no valor de R$ 13.906.

A secretaria ainda tem vagas para os cargos de nível médio, médio/técnico e superior (Edital 2). Os cargos de Técnico Fazendário (duas), Técnico da Tecnologia da Informação (oito), Técnico em Webdesign (uma) de nível superior possui ganhos de R$ 13.193,77.

Já as oportunidades para os níveis médio e médio/técnico contemplam os cargos de Assistente Fazendário (cinco), Assistente Técnico – Programador (12) e Assistente Técnico – Suporte (12) com salários de R$ 8.211,81.

Para se candidatar é necessário o preenchimento do formulário de inscrição disponível no site da Fundação Carlos Chagas e indicar o cargo que deseja concorrer, além da impressão do boleto de inscrição para pagamento.

As taxas de inscrição variam de acordo com o cargo, sendo o valor de R$ 125 para médio e médio/técnico, R$ 200 para nível superior e R$ 265 para o cargo auditor.

As provas serão realizadas em datas diferentes

Os candidatos ao concurso Semef Manaus serão avaliados por provas objetiva e discursiva, ambas em caráter eliminatório e classificatório. A depender do cargo, as aplicações ocorrerão em dias distintos. Confira o calendário das provas:

  • Dia 19 de Maio:
    Prova objetiva: Cargo de Auditor Fiscal de Tributos Municipais

  • Prova objetiva: Cargo de Assistente Técnico Fazendário
  • Dia 26 de Maio (manhã):
    Prova objetiva: Cargo de Assistente Técnico (Programador)
    Prova objetiva: Cargo de Assistente Técnico (Suporte)
  • Dia 26 de Maio (tarde):
    Prova objetiva e estudo de caso: Cargo de Técnico de Tecnologia da Informação
    Prova objetiva e estudo de caso: Cargo de Técnico em Webdesign
  • Dia 02 de Junho (manhã):
    Prova objetiva e estudo de caso: Cargo de Técnico Fazendário
  • Dia 04 de Agosto:
    Prova discursiva (peça processual e 2 questões): Cargo de Auditor Fiscal de Tributos Municipais

A prova objetiva será na cidade de Manaus e a distribuição dos conteúdos varia de acordo com cada cargo. Para auditor serão 100 questões, para os técnicos 60 e assistentes 70, com duração de até cinco horas, conforme carreira.

Para ter a prova discursiva corrigida, é necessário conseguir nota mínima de aprovação na prova objetiva. O prazo de validade do concurso será de dois anos, contados a partir da homologação do resultado final, podendo ser prorrogado por igual período.

Estude com os melhores!

Confira aqui os cursos onlines completos para o Concurso Semef Manaus:

Utilize o cupom >> QUEROPASSAR << ao final da compra para ativar o desconto promocional.

TRE-AM: tribunal confirma concurso para área de apoio

Uma nova oportunidade para os concurseiros de plantão. O Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) confirmou que tem intenção de realizar concurso público para a área de apoio. A seleção está sendo planejada para ser incluída na proposta orçamentária de 2020.

De acordo com o TRE-AM, as oportunidades serão para preencher os cargos autorizados pelo TSE por meio da Portaria nº 1.091/2018. O documento indica o provimento de dois cargos no tribunal, sendo um de analista e um de técnico.

A realização do concurso também aguarda uma aprovação da Corte Superior do órgão. A informação foi passada pela Seção de Lotação e Gestão de Desempenho do Tribunal, nesta quinta-feira, 4.

A seleção será para analista e técnico

De acordo com TRE-AM a seleção terá oportunidades para os cargos de analista e técnico.

O cargo de analista exige formação em nível superior e possui remuneração inicial de R$ 12.455,30. O valor é composto pelo vencimento básico de R$ 5.189,71 mais Gratificação por Atividade Jurídica (GAJ) de R$ 7.265,5.

Já o cargo de técnico, de nível médio, tem inicial de R$ 7.591,37. O vencimento total é composto pelo valor de R$ 3.163,07 e a Gratificação, de R$ 4.428,30. Os servidores ainda têm direito à Vantagem Pecuniária Individual (VPI), cujo valor não foi divulgado pelo órgão.

Último concurso TRE-AM foi realizado em 2013

O Órgão não tem concurso válido para técnicos e analistas. O último concurso foi aberto em dezembro de 2013 e encerrado em 2018.

O concurso de 2013 ofertou 40 vagas, sendo 15 para o cargo de analista judiciário e 25 para técnico judiciário. Os selecionados foram contratados pelo regime estatutário.

O cargo de analista contemplou áreas administrativas, jurídica, e especialidades como análise de sistemas, biblioteconomia, engenharia, medicina e odontologia. A remuneração inicial era de R$ 8.276,42, incluindo R$ 710 de auxílio-alimentação.

Já para o cargo de técnico, as especialidades foram para administrativa, enfermagem, higiene dental, operações de computadores e programação de sistemas. O inicial de técnico era de R$ 5.345,03 com auxílio-alimentação incluso.

A banca organizadora do concurso foi o Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação (IBFC). As avaliações foram compostas por provas objetiva e discursiva, ambas de caráter eliminatório e classificatório, sendo a discursiva destinada apenas para os cargos de analista.

Os exames de múltipla escolha consistiram em 60 questões, sendo 20 de Conhecimentos Gerais e 40 de Conhecimentos Específicos com base nas disciplinas de Língua Portuguesa, Noções de Informática, Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais e Regimento Interno do Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Amazonas.

De acordo com dados divulgados pela banca, o concurso de 2013 registrou 29.202 inscritos, sendo 23.386 concorrentes às vagas de nível médio e 5.816 às de nível superior.

Concurso TJ-AM terá edital até junho para os cargos de assistente e analista

O edital do concurso do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM) será publicado ainda no primeiro semestre. O prazo foi passado pelo membro da Comissão Temporária de Atos Preparatórios para Concurso Público de Servidores do TJ-AM, juiz Alexandre Novaes.

A expectativa é que os aprovados comecem a atuar em 2020. De acordo com o Juiz, que confirma a realização do concurso TJ-AM, a seleção será apenas para os cargos de Assistente Judiciário (nível médio) e Analista Judiciário (nível superior).

As remunerações atuais para ambos os cargos são de R$ 4.588,34 para Assistente Judiciário e R$ 8.936,96 para Analista Judiciário. Os servidores ainda têm direito a auxílio-alimentação no valor de R$ 1.669,38 e auxílio-saúde de R$ 390,85.

A declaração do magistrado desmente os indícios de que o cargo de auxiliar judiciário (nível fundamental) também seria contemplado no concurso. Segundo Alexandre Novaes, o maior número de vagas será para nível médio, sobretudo para a capital Manaus.

“O maior número de vagas é para o nível médio. Há uma grande demanda, sobretudo, no primeiro grau nas varas e juizados, que é realmente onde há uma carência maior, porque é direcionado um maior número de processos”, informou o juiz.

Embora o presidente do TJ-AM, Yedo Simões, tenha informado que a oferta do concurso seria em torno de 200 vagas, o membro da comissão afirmou que isso dependerá das aposentadorias de servidores.

“O processo de contagem está sendo feito em paralelo à contração da banca. E o concurso vai oferecer o número de vagas e mais cadastro de reserva”, informou o magistrado.

Em nota, a Assessoria de Imprensa do Tribunal, informou que a comissão responsável pelo concurso TJ-AM ainda está trabalhando nos estudos prévios para o edital. A data para a publicação do documento ainda não foi fechada.

“A comissão de Atos Preparatórios do referido concurso público ainda prossegue os estudos prévios, sem previsão oficial, ainda, para a divulgação do edital do certame”.

TJ-AM tem 367 cargos vagos para o concurso

Até fevereiro de 2019, o TJ-AM acumulou 367 cargos vagos, que poderão ser preenchidos com aprovados no novo concurso. Desse total, 201 são de Assistente Judiciários (nível médio) e 166 de Analistas Judiciários (nível superior). Não foram divulgados os cargos vagos para Auxiliar Judiciário (nível fundamental).

Os dados ainda podem crescer em caso de aposentadorias, mortes ou exonerações de atuais servidores. Em entrevista coletiva realizada em novembro de 2018, o presidente Yedo Simões explicou que o ideal para o novo concurso seria abrir 400 vagas.

O Tribunal de Justiça do Amazonas, no entanto, está em processo de análise do impacto dos novos servidores nas contas públicas.

“Nossos funcionários têm um salário alto em relação ao restante do país, em função do nosso plano de cargos e salários, e estamos tentando contornar isso. O ideal seriam 400 vagas. O problema é que o tribunal não comporta essas vagas com os salários que temos hoje”, justificou.

Segundo o presidente do tribunal, a intenção é que as nomeações de aprovados sejam imediatas. Para que o edital seja divulgado, o órgão ainda precisa escolher a banca organizadora. O concurso TJ-AM é prometido por Yedo Simões desde o início de sua gestão, em julho de 2018.

Intensifique os seus estudos!

Curso Intensivo TJ-AM: 100% focado no pré-edital.

Conheça os Benefícios: Acesso ilimitado ao conteúdo, Simulados de provas e Tutoria exclusiva com os professores.

Utilize o cupom >> QUEROPASSAR << ao final da compra para ativar o desconto promocional.

Governo do Amazonas mantém comissão para concursos na área da Segurança Pública

O Governo do Amazonas decidiu manter as comissões de organização dos concursos públicos das polícias Militar, Civil, Corpo de Bombeiros e Secretaria de Administração Penitenciária do Amazonas. De acordo com Decreto nº 40.375, da edição de 07 de março, publicado no Diário Oficial do Estado (DOE), altera dois dos cinco membros da comissão para dar continuidade ao concurso.

As comissões geral e especiais foram criadas pelo Decreto nº 38.923, de 27 de abril de 2018, pelo ex-governador do Estado. Os membros da Comissão Geral são responsáveis por definir o cronograma para realização dos certames e a constituição das bancas dos concursos.

Em setembro de 2018, por meio do Decreto nº 39.660, de 20 de setembro de 2018, foi definida a quantidade de vagas a serem preenchidas mediante a realização de concurso público, na área da Segurança Pública.

Ao todo, estão previstas 1.333 vagas para 15 cargos na área da segurança pública, distribuídas entre as polícias Militar, Civil e Corpo de Bombeiros, além de formação de cadastro de reserva.

Para a Polícia Civil do Amazonas, o concurso prevê vagas para os cargos de Delegado (62 vagas), Investigador (200), Escrivão (98), Perito Criminal (27), Perito Legista (8), Perito Odontolegista (3), Auxiliar Perito (16) e Padioleiro (10), totalizando 424 vagas.

O Corpo de Bombeiros prevê um total de 228 vagas. As oportunidades são para os cargos de Oficial (30) e Soldado (198).

Já para o concurso da Polícia Militar prevê o maior número de vagas. As vagas são para os cargos de Oficial Combatente (20), Oficial de Saúde (20), Cabo especialista Músico (20), Cabo especialista de Saúde (20) e Soldado combatente (601).

Polícia Civil do Amazonas tem maior remuneração do Brasil

Com uma das maiores remunerações do país e, certamente, um dos concursos mais aguardados, o concurso PC-AM contará com oportunidades para diversos cargos e com salários bastantes atrativos, entre eles estão os cargos de Delegado, Investigador e Escrivão de Polícia.

Embora, já se tenha definida a quantidade de vagas para realização do concurso, o quantitativo não supre o déficit de servidores.

Os cargos mais deficitários são os de Investigador e Escrivão de Polícia, além do cargo de Delegado, que de acordo com o Decreto nº 39.660/2018, prevê 200 vagas para o cargo de Investigador, 98 para Escrivão e 62 para Delegado. Ainda não foi divulgado os dados exatos, porém o quantitativo pode agravar com o número de servidores aposentados em 2018.

Os cargos de Investigador e Escrivão, respectivamente, possuem remuneração inicial de R$ 7.205,10.

Confira os valores por classe para as carreiras de Investigador e Escrivão:

Investigador e Escrivão – Esp.: R$ 10.700,10

  • Primeira Classe: R$ 9.819,15
  • Segunda Classe: R$ 8.935,33
  • Terceira Classe: R$ 8.033,35
  • Quarta Classe: R$ 7.205,10

Para concorrer a qualquer um dos dois cargos é necessário que o candidato tenha concluído o curso de nível superior em qualquer área de formação, fornecido por instituição reconhecida pelo Ministério da Educação.

Já o cargo de Delegado possui uma remuneração inicial de R$ 16.237,85 podendo chegar em R$ 20.556,00 com acréscimo de 25% para os candidatos com pós-graduação. Para concorrer ao cargo não há exigência de prática jurídica de 3 anos. Os interessados devem possuir curso de bacharelado em Direito, além de carteira de habilitação categoria B ou superior.

 Valores por classe para a carreira de Delegado:

Delegado – Esp.: R$ 24.752,83

  • Primeira Classe: R$ 22.277,54
  • Segunda Classe: R$ 20.049,76
  • Terceira Classe: R$ 18.044,80
  • Quarta Classe: R$ 16.237,85

Além da remuneração, as carreiras contam com acréscimo de 25% para portadores de diplomas de Pós-graduação.

PRF: corporação estuda pedido de novo concurso para 2019

A Polícia Rodoviária Federal já trabalha na elaboração de um novo pedido de concurso para policiais. A informação foi confirmada na última terça-feira, 12, pela Assessoria de Imprensa da Corporação.

Segundo a PRF, o pedido já começou a ser elaborado, mas ainda não há uma previsão de quando será enviado ao governo para análise.

A corporação informou que já está confirmado que enviará um novo pedido de concurso em 2019. No entanto, ainda não há estimativa de quantas vagas serão solicitadas.

O último concurso PRF 2018/2019, com provas realizadas em fevereiro deste ano, oferta 500 vagas para a carreira de policial rodoviário federal. O cargo exige nível superior em qualquer área de formação e tem remuneração inicial de R$ 10.357 e auxílio-alimentação de R$ 458. Podem concorrer homens e mulheres de 18 a 65 anos de idade. A PRF exige que o candidato tenha carteira de habilitação, na categoria B ou superior.

Último concurso PRF teve quase de 130 mil inscritos

Com 129.152 cadastros homologados, os candidatos ao concurso PRF 2018/2019 tiveram que responder 120 questões e elaborar uma redação dissertativa.

As questões foram divididas em blocos em três blocos. Cada bloco foi composto pelas seguintes disciplinas:

  • Bloco I (50 questões): Português, Raciocínio Lógico-Matemático, Noções de Física, Ética no Serviço Público, Geopolítica Brasileira, História da PRF;
  • Bloco II (40 questões): Legislação de Trânsito; e,
  • Bloco III (30 questões): Noções de Direito Administrativo, Noções de Direito Constitucional, Legislação Especial, Direitos Humanos e Cidadania, Noções de Direito Penal e Direito Processual Penal.

As provas seguirão o modelo Cebraspe, o organizador do certame, onde os candidatos julgavam como ‘certas’ ou ‘erradas’ as sentenças. Uma questão errada anula os pontos de uma certa.

Os aprovados na primeira etapa passarão, ainda, por exame de capacidade física; avaliação de saúde; avaliação psicológica; avaliação de títulos; investigação social e curso de formação.

Concurso TJ-AM: confirmado concurso público para nível médio e superior em 2019

O Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM) confirmou nesta quarta-feira, 13, que haverá concurso em 2019. O órgão prevê vagas para o ensino médio e superior. A informação foi divulgada pelo membro da Comissão Temporária de Atos Preparatórios para Concurso Público de Servidores do TJ-AM, juiz Alexandre Novaes.

O edital será lançando até o final do primeiro semestre deste ano. A previsão é que os aprovados do certame atuem em 2020. Em relação ao número de vagas, as especialidades que serão contempladas pelo edital e a banca organizadora que será responsável pelo concurso ainda não foram definidos. A Comissão Organizadora está realizando o estudo para identificar as áreas com cargos vagos. A previsão é que ocorra em até 30 dias.

Segundo o juiz Alexandre Novaes, o maior número de vagas está previsto para o cargo de nível médio.

“O maior número de vagas é para o nível médio. Há uma grande demanda, sobretudo, no primeiro grau nas varas e juizados, que é realmente onde há uma carência maior, porque é direcionado um maior número de processos. Então, a carência hoje no Tribunal é de conseguir a lotação de servidores para atuar nas varas e juizados, principalmente, na capital. Temos uma necessidade no interior do Estado, mas houve concursos anteriores que foram regionalizados para provimentos de vagas por sub-região”, informou o juiz.

Para que o órgão possa quantificar as vagas a serem oferecidas pelo concurso é necessário seguir o que está previsto na lei e depende da aposentadoria de servidores. “O processo de contagem está sendo feito em paralelo à contratação da banca. E o concurso vai oferecer o número de vagas e mais o cadastro de reserva”, relatou o magistrado.

O concurso TJ-AM será exclusivo para os cargos de Assistente Judiciário (nível médio) e Analista Judiciário (nível superior). A remuneração base para o cargo de Assistente Judiciário é de R$ 4.588,34 e para Analista Judiciário é de R$ 8.936,96, além disso, inclui o auxílio saúde no valor de R$ 390,85 e auxílio alimentação de R$ 1.669,38.

A Comissão é composta pelo desembargador Yedo Simões (juiz coordenador), Alexandre Henrique Novaes de Araújo (juiz auxiliar da Presidência do TJ-AM), Messias Augusto Lima Belchior Andrade (coordenador administrativo/secretário-geral administrativo do TJ-AM), Cintia Kazuko (servidor), Mauro Saraiva (servidor), Eduardo Martins (servidor), Wiulla Garcia (servidor), Hernan Batalha (servidor) e Camila Leite (servidor).

TJ-AM tem pelo menos 500 cargos vagos

Em setembro de 2018, o Tribunal de Justiça do Amazonas divulgou a última planilha de cargos vagos. De acordo com o levantamento, a atual carência do Tribunal é de 500 servidores, sendo 150 para Auxiliar Judiciário (nível fundamental), 193 para Assistente Técnico Judiciário (nível médio) e 157 para Analista Judiciário (nível superior).

Intensifique os seus estudos!

Curso Intensivo TJ-AM: 100% focado no pré-edital.

Conheça os Benefícios: Acesso ilimitado ao conteúdo, Simulados de provas e Tutoria exclusiva com os professores.

Utilize o cupom >> QUEROPASSAR << ao final da compra para ativar o desconto promocional.

Concurso PRF: sai a publicação do resultado

O diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal, Adriano Furtado, assinou nesta quinta-feira, 28, a publicação do resultado das provas objetivas e discursivas do concurso PRF. As notas estão disponíveis no site do Cebraspe, o organizador.

A Advocacia-Geral da União confirmou a continuidade do concurso PRF. Em nota, a AGU informou que cassou a liminar que suspendeu a seleção na última semana e já encaminhou o parecer ao setor responsável da Polícia Rodoviária Federal.

No pedido para a liminar do concurso, a Advocacia-Geral justificou que a corporação optou pela realização das provas na mesma localidade devido a melhor fixação do efetivo.

Para conceder tal resposta, a AGU mencionou o estudo de uma Consultoria Jurídica do Ministério da Justiça com base em concursos anteriores, conforme no trecho a seguir do recurso.

“O concurso para policial rodoviário federal é um dos concursos mais concorridos do país, tendo no seu último certame, ocorrido em 2013, aproximadamente 110 mil inscritos, com concorrência de quase 110 candidatos por vaga. Pelo fato de outras regiões do país possuírem maior facilidade de acesso a cursos preparatórios, materiais didáticos e educação de melhor qualidade, poucos são os aprovados originários das regiões Norte e Centro-Oeste. Logo, a maior parte dos candidatos aprovados, empossados e ali lotados, são advindos de outras regiões e desejam retornar para suas respectivas localidades de origem. Dessa forma, expressivo foi o número de remoções de servidores policiais federais lotados nas regiões Norte e Centro-Oeste do país”.

O resultado da prova discursiva, ainda caberá recurso. A solicitação deverá ser feita a partir das 9 horas do dia 6 de março até as 18 horas do dia 7 de março, no site do Cebraspe. No dia 8 do mesmo mês serão divulgadas as justificativas de alteração ou anulação dos gabaritos oficiais preliminares da prova objetiva.

O resultado final da prova discursiva e a convocação para as etapas de teste físico e investigação social estarão disponíveis a partir do dia 18 de março. O exame de capacidade física será aplicado nos dias 23 e 24 de março.

Concurso PRF teve quase 130 mil inscritos

As provas do Concurso PRF foram realizadas no dia 3 de fevereiro de 2019 com oferta de 500 vagas para o cargo de Policial Rodoviário Federal, que exige nível superior em qualquer área de formação com remuneração inicial de R$ 10.357 e auxílio-alimentação de R$ 458.

De acordo com uma estatística de inscritos divulgado pelo próprio organizador, foram 129.152 cadastro homologados e todos esses candidatos receberam a convocação para as provas.

A maior concorrência foi no Estado do Pará, com 12.700 inscritos para 81 vagas, seguido por Goiás com 12.605 inscritos e Rio Grande do Sul com 11.559. Já o Rio de Janeiro registrou 8.918 que representa cerca de 891 candidatos por vaga.

TCE-AM: inicia levantamento de cargos para seu próximo concurso

O Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE-AM) iniciou os preparativos de seu próximo concurso para efetivos. A informação foi dada pela Assessoria de Imprensa do órgão que confirmou que o levantamento dos cargos já está sendo realizado.

Quando o estudo for concluído, será possível divulgar quais serão as carreiras contempladas no edital. Sobre a quantidade de vagas, o setor informou que há uma estimativa inicial da presidente do órgão, Yara Lins dos Santos, mas que não foi determinada a quantidade de vagas ainda.

Além disso, a Assessoria destacou que até o fim de 2019 o TCE-AM deverá perder cerca de 248 servidores em razão de aposentadorias. Por isso, a realização de um concurso é necessária para o Tribunal que já trabalha no levantamento dos cargos.

O concurso TCE-AM foi anunciado em dezembro pela presidente, Yara Lins, durante a última sessão do Pleno entre os conselheiros do Tribunal. A expectativa é que, assim como nos últimos concursos, sejam contemplados cargos de nível superior.

Último concurso tinha inicial de R$ 28 mil

Os últimos concursos TCE-AM foram realizados em 2015, 2013 e 2012. O primeiro realizado em 2015 ofertou duas vagas para o cargo de auditor fiscal mais cadastro de reserva, cuja a remuneração na época era de R$ 28.947,54.

As outras duas seleções visavam preencher cargos da área de apoio. O concurso de 2013 ofereceu 24 vagas para o cargo de analista técnico de controlo externo; e em 2012, foram 30 vagas distribuídas entre áreas de Auditoria de Obras Públicas com 25 vagas e Tecnologia da Informação com 5. Os salários correspondiam a R$ 5.500 mais benefícios.

Os três concursos foram organizados pela Fundação Carlos Chagas (FCC). Os candidatos foram avaliados por meio de provas objetivas e discursivas, abrangendo disciplinas de Conhecimentos Gerais e Conhecimentos Específicos.

Polícia Federal tem mais de 4 mil cargos vagos

A Polícia Federal sofre com um grande déficit em seu quadro de pessoal. De acordo com dados divulgados pela Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), estão em falta 4.330 servidores.

A corporação luta junto ao Ministério da Justiça para aprovar orçamento e chamar mil novos policiais. No entanto, não resolveria o problema da corporação em relação a falta de servidores, sendo a melhor solução a realização de um novo concurso público.

Dos mais de 4 mil cargos vagos, a maior demanda é para a carreira de agente. O déficit é de 2.425 profissionais para o cargo que costuma ter a maior procura por exigir apenas o nível superior em qualquer área de formação.

Já os cargos de escrivão e delegado também apresentam um grande déficit. A carreira de escrivão necessita de 970 servidores para repor a carência, enquanto para o cargo de delegado o número chega a 680 cargos vagos.

As carreiras de perito e papiloscopista também sofrem com a falta de servidores. São ao todo 130 cargos vagos para perito e 125 para papiloscopista. Sendo assim, nem as 500 vagas previstas em edital, tampouco a chamada de uma nova turma será capaz de suprir todo o déficit da corporação.

Número de cargos vagos e quantidade de vagas do último edital:

Tabela comparativa sobre o número de cargos vagos e quantidade de vagas em relação ao último edital da PF

Concurso PF terá mais de uma turma de aprovados

Além das 500 vagas previstas em edital, a Polícia Federal deverá chamar mais uma turma de aprovados e somar mil convocados nessa seleção. A informação foi passada pelo presidente da ADPF, Edvandir Paiva, e confirmada pelo vice-presidente, Luciano Leiro.

Segundo Luciano Leiro, as tratativas junto ao Governo Federal, para que essa medida seja concretizada, está caminhando em passos largos. Havia uma indecisão se a melhor alternativa seria chamar mais aprovados e formar duas turmas com 500 candidatos cada ou realizar um novo concurso.

Sobre o impasse, Luciano acredita que o governo e o Ministério da Justiça já chegaram a um consenso, segundo foi passado pela própria PF, embora ainda não haja uma confirmação oficial.

“Havia uma dúvida se a intenção seria abrir um novo concurso ou aproveitar os excedentes. O que nos foi passado é que essa decisão (em vez de fazer um novo concurso chamar os excedentes) já teria sido tomada”, relatou o vice-presidente da associação.

De acordo com o vice-presidente da ADPF, mesmo com a decisão eles ainda lutarão para que um novo concurso possa ser realizado. A Associação entende a necessidade e reconhece que apenas mil vagas não serão suficientes para suprir o déficit de servidores da PF.

Sobre o último concurso PF

O edital do último concurso da PF (que ainda está em andamento) foi publicado em junho de 2018 com a oferta prevista de 500 vagas. Os cinco cargos em disputa exigem nível superior, sendo apenas os cargos de escrivão e agente para qualquer área de formação e os demais em específicas.

Ao todo foram mais de 147 mil inscritos, sendo a maior procura para a carreira de agente. Desses todos foram convocados para as provas, mas cerca de 35 mil candidatos não compareceram ao exame objetivo e foram eliminados do concurso.

Em resumo, a seleção foi composta por diversas etapas: Prova objetiva; Discursiva; Exame de aptidão física; Prova oral (para o cargo de delegado); Avaliação médica; Psicológica; de Títulos (para delegado e perito); Prova prática de digitação (somente para escrivão); Investigação social; e, Curso de formação.

A maioria das fases foram realizadas em todas as capitais, além do Distrito Federal. Os aprovados serão pelo regime estatutário, que assegura a estabilidade.